Diário de Campanha

Dungeons & Dragons - Forgotten Realms 3.5 - São Paulo / SP / Brasil

Aqui está e será publicado todo o meu trabalho como Dungeon Master. A campanha data do início de 2007, onde os seis meses iniciais foram necessários para a criação da estória (história) chamada “Cofre dos Deuses”, composta das crônicas:

“Casa de Prata”; com localização inicial em Lua Argêntea.
“Legiões de Tamoril”; na Cidadela de Tamoril.
“Serpente Branca”; na cidade de Águas Profundas.
“Vingança em Prata”; localizada na cidade de Luskan.

Criei apenas um esboço com fatos importantes, algumas dezenas de Personagens do Mestre e as chaves que poderiam desenvolver a aventura. Tentei tratar as crônicas como estórias relacionadas, porém não lineares, dando aos jogadores a opção de escolher qual delas fazer ou não.

Dungeon Master

26 de nov de 2013

Repertório do Bardo: The Last Pale Light...




In my hands, I hold the ashes
In my veins, black pitch runs
In my chest, a fire catches
In my way, a setting sun
Dark clouds gather 'round me
To the west, my soul is bound
And I will go, on ahead free
There's a light yet to be found
 
The last pale light in the west
The last pale light in the west
 
 
And I ask for no redemption
In this cold and barron place
Still I see the faint reflection
And so by it, I got my way
 
The last pale light in the west
The last pale light in the west

Claude Westbright; veja em "O Brilho do Oeste", "Personagens: Claude Westbright" e "Casa de Prata - Organização"

30 de jul de 2013

Dungeons


 
Altar da Morte: Esta primeira sala é usada para agradecer e louvar os deuses da magia, principalmente os que promovem o uso da magia necromântica. As runas no chão e o altar repleto de símbolos são homenagens deixadas pelos estudantes para seus patronos divinos.


Biblioteca dos Mortos: Aqui os estudantes encontram todo estudo básico, e talvez algum conteúdo mais avançado, para iniciar e desenvolver suas pesquisas necromânticas. O local é aconchegante e possui uma lareira, uma grande poltrona de madeira, um caldeirão e seis estantes repletas de material de pesquisa. Existe uma grande quantidade de provisões em um dos cantos da biblioteca, entre este objetos uma pequena arca e em seu interior a chave para a sala "Morte Conjurada".
 
Laboratório/Prisão: Local para estudos práticos da necromância, contém celas de diversos tamanhos para aprisionar os "objetos de estudo". Alavanca Mestre: Este dispositivo não só abre as celas da prisão como também libera a passagem pelas grades para a sala da "Morte Conjurada". Ao acionar a alavanca uma vez, as portas das celas abrirão e uma grade de segurança fechará o laboratório. Acionando duas vezes a alavanca, as grades da entrada da sala "Morte Conjurada" serão removidas.
 
Sala Morte Conjurada: O local também conhecido como sala do trono é destinado para meditação, conjuração de criaturas e maldições. Nellaf em sua mente doentia e parcialmente destruída acredita que estes salões são agora seu domínio e que a sala do trono é sua morada. Existem dois círculos de poder nesta sala que serviam para ajudar os alunos nos estudos práticos da conjuração. O primeiro círculo conjura mortos-vivos e o segundo invoca maldições em quem adentrar seus limites. No trono existe uma alavanca para fechar as portas e grades da sala.
 
Nellaf "O Caído" foi um aluno da torre arcana que tentou utilizar o antigo ritual criado pelos devotos de Bane "O Senhor da Escuridão", e recentemente modificado pelos seguidores de Velsharoon "O Necromânte", que consiste em criar um poderoso guardião morto-vivo. Devido a sua falta de experiência, e a sobra de arrogância, algo deu errado e Nellaf foi transformado na própria criatura.
 
 
Equipamentos de Nellaf, O Caído: Espada de Bane Ordeira +1; espada longa 1D8 axiomática 2D6 contra tendência caótica e -1lvl em caótico que empunhar, Pg.142 Magia de Faerûn, 18315PO. Aprisionador de Velsharoon; dois anéis ligados por uma fina corrente de prata, conta como um só anel, Proteção contra Mortos-Vivos; como em proteção contra o mal mas apenas contra mortos-vivos: +2 CA deflexão, +2 de bônus de resistência, além das proteções de controle mental o usuário ganha +3 de bônus em teste de resistência contra a escola da necromância, Pg. 122 Livro Jogador de Faerûn & Pg.278 Livro do Jogador para Proteção contra o Mal, 33500PO

29 de jul de 2013

8º Combate: Legiões de Tamoril

8º Combate: Torre de Themor (Laboratório de estudos necromânticos)


2 Esqueletos Humanos (Armadura Pesada) ND 1/3 = ND 2/3
1 Esqueleto Humano ND 1/3 (Pg. 117 Livro dos Monstros)
1 Esqueleto Orc ND 1/3

4 Zumbis Humanos ND 1/2 = ND 2 (Pg. 267 Livro dos Monstros)
1 Carniçal ND 1 (Pg. 42 Livro dos Monstros)

1 Esqueleto Humano ND 1/3
1 Esqueleto Orc ND 1/3
2 Esqueletos Gnoll ND 1 = ND 2

1 Esqueleto Orc ND 1/3
2 Esqueletos Humanos ND 1/3 = ND 2/3
1 Zumbi Humano (Furioso) ND 2

1 Zumbi Kobold ND 1/2
1 Zumbi Orc (Furioso) ND 1/2
1 Nellaf "O Caído" Guardião de Bane (Especial) ND3


Nellaf "O Caído" foi um arrogante aluno da torre arcana que tentou utilizar material avançado de estudos necromânticos para criar um "Guardião de Bane", obviamente algo deu errado e Nellaf foi transformado na própria criatura.
 
Espada de Bane Ordeira +1 (espada longa 1D8 axiomática 2D6 contra tendência caótica e -1lvl em caótico que empunhar, Pg.142 Magia de Faerûn) 18315PO
 
Aprisionador de Velsharoon (dois anéis ligados por uma fina corrente de prata, conta como um só anel, Proteção contra Mortos-Vivos; como em proteção contra o mal mas apenas contra mortos-vivos: +2 CA deflexão, +2 de bônus de resistência, além das proteções de controle mental o usuário ganha +3 de bônus em teste de resistência contra a escola da necromância, Pg. 122 Livro Jogador de Faerûn & Pg.278 Livro do Jogador para Proteção contra o Mal) 33500PO; Os dois itens estão com Nellaf.

4 de jun de 2013

Campanha: A Ruína de Nikut

 
 
Grupo: (PJs) Gilliam Morning, Summer Brise, Willtel e (PdMs) Veit Recajev, Kak, Tir, Sas, Eik, Morathor, Borathor e Maximillian Kenway.

Combates: Legiões de Tamoril do 6º ao 7º

Bônus: Lawine "Torrente Glacial" Dragão Branco ND21
 
Segue texto referente ao relatório redigido pelo comandante interino Gilliam Morning; Jogador Marcolídio!


O relato de nossa última missão deve ser iniciado pela rememoração de nossos últimos feitos e das tragédias que nos acompanham, para que não seja esquecida a difícil trama dos fios que tecem a nossa história e que explicam um pouco de nossas motivações, bem como a razão de nossos sucessos e fracassos, que fique então registrado nos anais de nossa cidade.

A jornada da nossa decúria, a "Matilha Branca", começou com a descoberta, em uma patrulha nas montanhas, de que goblins estariam armazenando explosivos potentes em cavernas próximas à cidadela de Tamoril. Era inevitável que surgisse então a questão de como seria possível que criaturas tão pouco organizadas estivessem empenhadas no comércio e armazenamento de tão preciosa e perigosa carga? Portanto, deveria haver algum agente oculto nesta empreitada, uma ameaça ainda desconhecida, mas que não tardaria em lançar-se violentamente sobre a cidadela, caso nada fizéssemos para evitar suas maquinações.

A busca de informações mais precisas sobre esse adversário que atuava nas sombras levou nossa decúria, sob o comando de Maximillian, combatente intrépido e líder extraordinário de pendor liberal e igualitário, a um posto avançado dos goblinóides, o qual fora descoberto pelos batedores de nossa cidade. Naqueles dias, o grupo contava com Gillian Morning, Veit Recajev, Haldrin Liadon e Amaryllis Greenbottle, como especialistas, com quatro arqueiros e dois homens de infantaria como soldados.
 
Após tranqüila jornada, uma terrível batalha ocorreu nas profundezas da base dos goblins, sendo necessárias duas investidas para tomar a posição de nossos inimigos. Infelizmente, a vitória não chegou sem trazer consigo os tons melancólicos da perda de companheiros queridos, Amaryllis, habilidosa entre os pequenos Halflings, e Haldrin Liadon, paladino de Torm, sucumbiram na batalha decisiva, em que travamos contato com o pérfido Nikut “Boca Podre”, e Karnicax, seu worg-atroz.


A pequena Amaryllis não teve chance quando Nikut, o oportunista malicioso, agarrou-lhe nas trevas e propôs, em seguida, seus acordos sórdidos ao nosso grupo. Em sua integridade impar, Haldrin Liadon não poderia tolerar semelhante desonra e investiu, com fúria e heroísmo, mas de forma que se revelaria imprudente, contra o nosso antagonista. Ao refletir sobre aquela situação, por vezes, perguntamo-nos: “Não teria ele visto Karnicax? Seu brio e fé obstruíram-lhe a razão?”. Todavia, isto pouco importa, pois nosso valente paladino sucumbiu nas mandíbulas de Karnicax, logo após sua desastrada investida, provavelmente ainda estava atordoado, já que sua última visão fora a da pequena Amaryllis sendo degolada pelo impiedoso Nikut.
 


Com empenho e furor superamos em batalha os inimigos que Nikut deixara, enquanto fugia pelas trevas da montanha. Nos combates, Maximiliam se destacou mais que todos e fez um prisioneiro, o gnomo mercenário “Jack”, que se revelou importante informante no prosseguimento de nossa missão. Mesmo após cuidadoso interrogatório, o nome e identidade do gnomo permaneceram incógnitos, vislumbrando-se apenas ser ele um mercenário, relacionado ao fornecedor de “fogo alquímico” para nosso inimigo, em cargas que procediam do ocidente. Ademais, ele nos revelou o essencial, o lugar em que poderíamos encontrar Nikut e continuar a nossa missão, tendo ensejo de dar-lhe o justo castigo pelos atos inomináveis por ele perpetrados.

Com seu líder ferido, a decúria precisou de tempo para se reorganizar, alguns soldados foram dispensados de seus serviços e novos se apresentaram, a começar pelos especialistas, Summer Brise, a dama da terra, com a sua loba Jasmin, e Willtel "O elfo" de arco negro. Também ingressaram, na qualidade de soldados, Kak "O protetor", Morathor e Borathor "Machados Gêmeos"; bravos anões e combatentes incansáveis, Tir e Sas, guerreiros versáteis; como ademais costumam ser os humanos, e o elfo selvagem Eik "Fúria Indomável".

Após um mês de intensos treinamentos e de noites alegres na casa dos guerreiros, das quais se ausentava apenas o misterioso Willtel, Maximiliam estava recuperado e estávamos prontos para continuar nossa missão. Partimos para uma jornada de cinco dias, muitas milhas distante de nossa cidade, para defendê-la do horror e da servidão que nossos inimigos desejam impor com seus estratagemas maliciosos.


Em uma antiga fortaleza dos anões, o poderoso assalto de nossa decúria revelou-se imbatível, malgrado nossas trágicas e amargas perdas, pois jazeram ali, em batalha, nosso líder Maximilliam, espada da justiça, cujos lamentos pela perda jamais serão suficientes, Kak, Morathor e Borathor, com a glória de terem purificado o solar de seus ancestrais e também Sas, Tir e Eik, cujo descanso eterno certamente trará consigo, como para os demais, as recompensas imperecíveis daqueles que morreram pelos povos livres de Faêrun.

A batalha consistiu de quatro combates, tendo sido avassalador nosso sucesso nos dois primeiros, graças à combinação eficiente de nossas armas de longo alcance com a habilidade de nossos combatentes de infantaria, arrasando as defesas de nossos inimigos. A desgraça que se seguiu nos dois últimos combates deve-se ao fato de que então se tornou patente a nossa desvantagem numérica e, após a perda de nosso líder, encontrávamos desmoralizados e sem a possibilidade de nos valermos do elemento surpresa, que fora decisivo no primeiro combate.

No terceiro combate, a falta de apoio para nosso líder que atuava no centro da batalha e concentrava os ataques dos inimigos teve como conseqüência a sua ruína, pois foi vã a resolução de Kak em evitar que ele sofresse um golpe de misericórdia, proferido por um capitão Hobgoblin. No flanco direito, Sas tentou uma investida imprudente em um arqueiro goblin que nos afligia na retaguarda e sua vida foi ferozmente ceifada por um Ogro, que aparentemente não o alcançaria, ou ao menos parece ter sido esse o juízo do impetuoso soldado. Por fim, no flanco esquerdo, um tiro preciso de um arqueiro goblin feriu fatalmente Borathor, o que, logo após o combate, consternou totalmente seu irmão gêmeo, haja vista que ele não presenciou a cena de sua queda.

Enfim, o último combate, o mais trágico de todos, que precisa ser examinado com cuidado, para que possamos evitar que eventos dessa natureza se repitam. Ao entrarmos em campo, um alarme ecoou pelo salão e, subitamente, fomos forçados a lutar em três frentes, com mercenários goblins extremamente habilidosos, como pode ser verificado pelo valor de seu pagamento, algibeiras repletas de pedras preciosas. Infelizmente, não foi possível neutralizar Karnicax pelo recurso à antipatia existente entre Nikut e o treinador de worgs Tuky, visto que ele se encontrava além das linhas inimigas, inacessível para um grupo que não dispunha de elementos furtivos suficientes.


Logo no início do combate, Morathor se lançou furiosamente sobre os inimigos, motivado que estava para vingar a morte de seu irmão, Gillian foi surpreendido por Karnicax no flanco direito, ficando fora de combate devido aos ferimentos, de modo que Kak precisou cruzar o campo de batalha e arremeter sobre o Worg monstruoso. Então, como o combate se concentrou na anulação dessa ameaça, houve espaço de sobra para que os mercenários se valessem de sua tática de flanquear nossos defensores.



O flanco esquerdo e nossa posição central ruíram, Tir, após longa resistência, em batalha contra dois adversários, foi vitimado na primeira posição, e Morathor, por pouco, e graças ao apoio de Summer, não sucumbiu nesse momento, pois também se encontrava flanqueado. Tudo parecia perdido, mas, a partir do flanco direito, reagrupado em virtude dos esforços de Kak, e das ações de auxílio de Veit e de Summer, que recuperaram algumas posições no centro da batalha, bem como Gillian e Morathor, que haviam sido feridos quase fatalmente. Todavia, Eik não teve a mesma sorte e não resistiu ao esforço desta retomada, sendo vitimado por um dos mercenários. Desde o início das hostilidades, na retaguarda, Willtel não poupou os inimigos, mesmo quando fora ameaçado, após a queda do flanco esquerdo.

Finalmente, o jogo começava a virar, Nikut encontrou em nossas lâminas e flechas a sua ruína, mas nossa inferioridade numérica, devido às perdas acumuladas, fez com que ainda sofrêssemos terríveis baixas, já que Kak e Morathor, para nosso pesar, sucumbiram em combate glorioso.

Foram tantos os que caíram entre nossos inimigos que certamente eles precisarão de muito tempo para se recuperar do assalto de nossas forças. Todavia nada deverá ser mais louvado por nossos menestréis do que a queda de Karnicax, monstro de fome insaciável, e Nikut “Boca Podre”, que encontraram ali o termo de sua obscura existência, de modo a estarmos livres dos malefícios que a perniciosa liderança deste último e a irrefreável fúria do primeiro representavam para nossas forças.

Para nós, sobreviventes da batalha, urge menos o descanso que a vontade de continuar a nossa aventura. Por isso, entregamos os espólios de nossa batalha, um prisioneiro, o goblin treinador de worgs, e o material que recolhemos no escritório de Nikut, para que seja analisado por nossos espiões e especialistas, de modo que em breve possamos retornar para nossa busca.

Assinam este relato os especialistas da decúria "Matilha Branca";

Gilliam Morning, Willtel, Summer Brise e Veit Recajev

PS: Na confusão da batalha “Jack”, o gnomo, conseguiu fugir, e deve estar vagando apenas com suas roupas e uns poucos suprimentos no Norte, talvez nunca mais tornemos a vê-lo.
 
PPS: A fortaleza anã revelou ser também um veio de Adamante, o que pode tornar frutífera a sua guarnição e usufruto por nossa cidade. Porém, é mister informar que um dragão branco enorme repousa em uma passagem aberta, talvez acidentalmente, pelos goblins, sendo necessário ponderar com cuidado acerca dos benefícios e malefícios de tão ousado empreendimento.

 

5 de abr de 2013

Personagens (Players)

 
A morte prematura de Amaryllis e Liadon pode ter ensinado algo importante aos companheiros da decúria "Matilha Branca", mas sem tempo para prantear e com a necessidade de continuar as investigações dois novos especialistas foram enviados pelo alto comando e assim suprir o vazio deixado pelos falecidos soldados. Os jogadores e novos personagens são - Jogadora Gaby: Summer Brise / Jogador Mar-cell: Willtel "O elfo"
 
 
Summer Brise
HUMANA DRUIDA (Chauntea); 23 anos
 
 
A jovem druida é agradável como uma brisa de verão... mas apenas com aqueles que ela julga merecedores, com os demais seu comportamento é como um dia de sol escaldante que queima dolorosamente com a exposição. Devota de Chauntea, Summer gosta do equilíbrio que a gestão da "Cidadela de Tomaril" possui entre cultivo, criação de animais e respeito pelos recursos naturais. Brise possui também uma veia belicosa, adora fazer parte das Legiões, mantém uma ligação fraternal com os devotos de Silvanus e sua companheira é a loba Jasmin.
 
 
 
Willtel "O elfo"
ELFO (da Lua) GUERREIRO; 121 anos
 
 
Devoto de Shevarash, Willtel é acima de tudo um sobrevivente, este "elfo da lua" já demonstrou à todos da decúria o poder de seu arco e seu espírito de sobrevivência. Os cabelos negros, vestes escuras, arco preciso e comportamento frio indicam que ele é um verdadeiro "Caçador da Noite". Seu passado é um mistério, porém por sua devoção para com o "Arqueiro Negro" pode indicar que algo terrível ocorrerá em sua vida e provavelmente os Drows sejam os culpados.
 

3 de mar de 2013

Campanha: A Morte dos Imprudentes

 
Grupo: (PJs) Gilliam Morning, Haldrin Liadon, Amaryllis Greenbottle e (PdMs) Veit Recajev, Maximillian Kenway, dois combatentes pesados e quatro arqueiros.

Combates: Legiões de Tamoril do 1º ao 5º

Bônus: Karnicax "Worg-Atroz" ND3 (mesmo que Lobo-Atroz)

 
A Decúria conhecida como a "Matilha Branca", liderada por Maximillian Kenway (a verdade é que Kenway não possui a habilidade de um verdadeiro líder, portanto, a equipe é conduzida de forma democrática e por consultas excessivas de seus especialistas), foi incumbida de descobrir o que um grupo formado principalmente por goblinóides tramavam em cavernas ao leste da Cidadela e aos pés das "Montanhas de Gelo". Após as primeiras investigações a decúria descobre que o bando além de bem equipado faz uso de poderosos aliados, como worgs e estranhos goblins vindos de terras distantes, além disso uma substância que mais tarde é identificada como pólvora foi encontrada em grande quantidade em um organizado paiol. Uma amostra foi levada ao comando da Legião e o paiol destruído pelos aventureiros.

A divisão de inteligência da Legião decide que a "Matilha Branca" deveria continuar encabeçando as investigações e assim os aventureiros são enviados para mais uma missão. Agora o alvo seria um suposto centro de comando, provavelmente um posto avançado. No local o grupo enfrentou uma força organizada e por diversas vezes aparentava superioridade tática e numérica, mas no fim a Legião prevaleceu, porém, a decúria acabou pagando um alto preço pela vitória:

 
Nas profundezas, nas cavernas de gelo das gélidas montanhas do leste, a "Matilha Branca" enfrenta com determinação as forças inimigas. Em seu segundo dia de combate a decúria chega, ao que parece, no fim da linha do acampamento de comando das forças goblinóides. Alguns bugbears aparentavam tomar a liderança das forças goblins, mas, ao encurralar as forças remanescentes os aventureiros deixaram sua sede por glória cegar sua prudência. Em um breve momento de distração o grupo foi flanqueado pelo verdadeiro líder dos numerosos goblinóides, surgido da escuridão dos corredores. Nikut "Boca Podre" é seu nome e ao seu lado seu "bichinho de estimação", Karnicax, um poderoso worg-atroz. Nikut um ardiloso goblin de pele negra agarra a pequena Amaryllis e com a lâmina em seu pescoço o infame goblinóide interrompe o combate:

 
"Parem! Agora! Ou cortarei a cabeça da pequenina e jogarei seu corpo p'ra meu bichinho" os olhos do worg-atroz brilhavam na cor do sangue e sua saliva pingava na forma de piche.
 
"Não!" diz Veit Recajev, mas sem hesitar e confiante em sua habilidade, Liadon investe furiosamente sobre Nikut, porém o terreno irregular prejudicou seu ataque facilitando a esquiva do goblin negro. Imediatamente Amaryllis é degolada, morrendo quase que instantaneamente. O destino também foi cruel com Liadon, em um golpe de sorte ou talvez o Paladino estivesse em estado de choque, Karnicax desferiu uma poderosa mordida exatamente na junção da armadura na linha da cintura, tão poderosa que cortou o elfo-paladino ao meio.

Gillian e Max imediatamente, vendo a morte dos dois companheiros, atacaram com todas as forças o worg, causando danos e preocupação por parte de Nikut. Neste momento outra figura apresentou-se no campo de batalha, era Gerbo "Coração Cinza", um gnomo guerreiro famoso por negociar produtos no mercado negro. Gerbo estava acompanhado por seus guarda-costas, dois pequenos constructos, e mais dois goblins mercenários curiosamente bem alinhados e disciplinados. O gnomo assumiu o fronte da batalha:
 
"Vá Nikut, deixe comigo, provarei que seu investimento não foi em vão!" em um momento de descuido Nikut montou em Karnicax e fugiu do campo de batalha. Maximillian Kenway tenta impedir a fuga do goblin negro, porém os mercenários frustram sua ação. Todos estavam exaustos, feridos e tristes pela morte dos companheiros, a raiva e senso do dever foram o combustível da vitória. Ao final da batalha apenas um inimigo continuava vivo:

 
"Urh!!! Esse maldito gnomo dirá tudo que sabe... ou a morte será seu maior desejo!" disse Max, muito ferido, olhando para o corpo da pequena Amaryllis e em seguida para o desolado Gilliam "Morning".
 

Pesquisar: Os Reinos Esquecidos

UDG FR